NOVOS PRODUTOS DA ADIDAS SERÃO PRODUZIDOS COM LIXO

A marca de produtos desportivos vai lançar uma coleção já no próximo ano a partir de resíduos de plástico recolhidos dos oceanos.

O ambiente é uma preocupação dos nossos dias e, por isso, são cada vez mais as grandes marcas a dar o exemplo para a consciencialização ambiental.

Desta vez, ‘os louros’ cabem à marca alemã de calçado e vestuário desportivo, a Adidas, que se juntou à iniciativa ‘Parley for the Oceans’. O objetivo, revela o jornal The Independent, é fazer uma acção de limpeza dos oceanos e a partir dos resíduos de plástico recolhidos criar novos produtos já no próximo ano.
Além desta ação, a Adidas anunciou também, esta segunda-feira, a retirada gradual de todos os sacos de plástico das suas quase três mil lojas.
A ‘Parley for the Oceans’ é composta por um grupo de artistas, designers, músicos e cientistas que quer limpar os oceanos. Já em 2014, recorda o Independent, a holandesa G-Star Raw juntou-se a esta iniciativa para lançar uma linha de ganga com recurso a plásticos recolhidos dos oceanos.
Na origem da poluição marítima estão as quantidades de plástico utilizado nos bens de consumo, gerando um “custo de capital natural” (medida utilizada para calcular os danos ambientais) de, pelo menos, 13 mil milhões de dólares por ano (cerca de 12 mil euros) – segundo estimativa do Programa das Nações Unidas para o Ambiente (PNUA).

Desta vez, ‘os louros’ cabem à marca alemã de calçado e vestuário desportivo, a Adidas, que se juntou à iniciativa ‘Parley for the Oceans’. O objetivo, revela o jornal The Independent, é fazer uma acção de limpeza dos oceanos e a partir dos resíduos de plástico recolhidos criar novos produtos já no próximo ano.

Além desta ação, a Adidas anunciou também, esta segunda-feira, a retirada gradual de todos os sacos de plástico das suas quase três mil lojas.

A ‘Parley for the Oceans’ é composta por um grupo de artistas, designers, músicos e cientistas que quer limpar os oceanos. Já em 2014, recorda o Independent, a holandesa G-Star Raw juntou-se a esta iniciativa para lançar uma linha de ganga com recurso a plásticos recolhidos dos oceanos.

Na origem da poluição marítima estão as quantidades de plástico utilizado nos bens de consumo, gerando um “custo de capital natural” (medida utilizada para calcular os danos ambientais) de, pelo menos, 13 mil milhões de dólares por ano (cerca de 12 mil euros) – segundo estimativa do Programa das Nações Unidas para o Ambiente (PNUA).

Fonte: Forbes